Risco

/

Arquitectura e
Desenho Urbano

Plano de Urbanização da Quimiparque

A área do plano, com cerca de 500 ha, integra os terrenos do antigo complexo industrial da CUF e as áreas envolventes necessárias para a assimilação da nova zona urbana na cidade existente, designadamente o complexo ferroviário de manobras e oficinas que hoje divide o Barreiro em duas partes.
A proposta apresenta um sistema de espaços públicos forte que é a ossatura da cidade nova mas também da cidade existente, na qual escasseiam os corredores e espaços urbanos de escala apropriada à sua densidade.
O desígnio de transformação do existente é arrojado e colectivamente assumido no Barreiro, o que exige um grande realismo na concretização desta reviravolta histórica. A terceira travessia e o metro do sul do Tejo, que irão introduzir um novo sistema de interligação com a restante área metropolitana de Lisboa, são elementos chave dessa reviravolta.
A cidade nova proposta organiza-se em volta de três espaços centrais: junto à nova gare, junto ao porto atlântico existente e no local do actual terminal fluvial. A poente da terceira travessia, preconiza-se a manutenção e desenvolvimento da vertente industrial/logística que já existe neste território tirando partido da tradição industriosa do concelho e das novas infra-estruturas de transporte programadas para o local.

Local
Barreiro
Cliente
Câmara Municipal do Barreiro e Quimiparque
Data
2007 – 2012

Arquitectura e Desenho Urbano
Nuno Lourenço, Tomás Salgado, Lúcia Manso, Pedro Barreto e Nuno Salgado c/ Joan Busquets e c/ NPK
Área de Intervenção
210 ha